Monday, November 20, 2006

Música francesa em retrospectiva


Ontem assisti a um concerto com cheiro a passado!
Embalou-me em seus braços feitos de notas delicadas e fez-me voar por mundos antigos, onde já não viajava há muito.
A tua presença, rosto de uma época repleta de vida, as musicas que interpretaste, o teu jeito ainda semelhante a outros tempos, apesar de vibrar em ti algo diferente, fez-me pensar. Na vida, no que construímos, no que lutamos por ser e onde chegamos.
Alguém dizia outro dia que os vinte anos são a fase em que descobrimos quem somos e os trinta a fase em que lutamos para construir aquilo que descobrimos ser.
Fez-me sentido!
E aqui, sentada nesta cadeira numa viajem pelo passado e pelo futuro olho para ti, aí no palco e penso.
Há quem saiba desde pequeno aquilo que é e que quer ser, como tu! Mesmo assim lutar por isso não se faz do dia para a noite e tudo leva muito tempo a construir… Os sonhos dão trabalho!!
Outros passam anos á procura, como eu, mudam constantemente, a cada sopro do vento, mas não desistem de correr atrás de respostas, podendo passar toda uma existência a procurá-las, ou ter a sorte de as encontrar num virar de uma qualquer esquina da vida.
Há ainda quem se acomode e simplesmente vá e venha com a maré, sem se preocupar se isso lhe ressoa ou não na alma.
Olho á volta. Todas estas pessoas fazem-me pensar, e contudo é em mim que penso!
Nos meus sonhos, nas minhas lutas. Por qualquer razão ver-te, faz-me acreditar e sentir-me forte.
Volto a olhar-te. Frágil ainda nos gestos, mas com maturidade na voz, sei, que vou ver-te daqui a anos, neste ou noutro palco, com a força e a segurança de quem não só sabe o que quer, mas de quem já o conquistou. A tal segurança que dizem que a idade traz.
Que a força dos teus sonhos te abrace e te abra todas as portas, é o meu desejo. A ti, que tens a coragem de os conquistares a cada dia. A todos, que como tu, continuam a lutar pelos seus ideais.

E no meio destes pensamentos mergulho ainda num impulso incontido que me remete a cheiros e cores perdidas de outras épocas. Épocas de sonhos, sorrisos … e margaridas.

"Ne me quitte pas

Il faut oublier
Tout peut s'oublier
Qui s'enfuit déjà
Oublier le temps
Des malentendus
Et le temps perdu
A savoir comment
Oublier ces heures
Qui tuaient parfois
A coups de pourquoi
Le cœur du bonheur
Ne me quitte pas...
Ne me quitte pas...
Ne me quitte pas..."
(...)

Jacques Brel

11 comments:

Valter said...

E Anita será uma presença!Andas por ai eh eh!

Anonymous said...

Fizeste-me chorar!A ti margaridas brancas!

Sandra said...

Margaridas brancas, são as minhas preferidas. Obrigado
Para ti, muitas rosas de sucesso e muitas mais lágrimas de sonhos concretizados! :)
Um beijo

Guilherme F said...

Les vieux ne parlent plus
ou alors seulement
parfois du bout des yeux.
Brel, sempre.

Agradeço as palavras.
Bj

Betty Branco Martins said...

Olá Sandra

Adoro música francesa.

Mas, Jacques Brel - serei sempre uma eterna apaixonada.

Belo o teu post

Beijinhos com carinho

Sandra said...

Pois é Gui, Brel é sempre intenso e inesquecível!!!
Um beijo!!
Continuo a espera de novos "desabafos" teus ;)

Sandra said...

Betty: Obrigado! Também adoro musica francesa e esta mexe particularmente comigo. Um beijo florido

Sandra said...

Valter Valter... Pois é, como negar isso!! Hehehe Ela está sempre presente com a sua eterna inocência pouco inocente!!
Beijos ... e Margaridas para ti ;)

Sandra said...

Gui: Desculpa, a dos desabafos não era para ti :), mas ... sente-te livre para desabafar sempre que quiseres.
Beijo

Unicus said...

Um texto cheio de reminscências passadas rematado magistralmente por Brel

Anonymous said...

Sandra Sandra Ne me quite pas e duas rosas brancas!