Wednesday, February 27, 2008

Adeus Bolota...

Voa solta… e sem medos
O Universo agora é teu
E tu és livre… e tu és luz!!



“Não pares junto à minha campa a chorar,
Porque não estou lá.
Não estou adormecida.
Sou os mil ventos que sopram,
Sou o brilho do diamante da neve,
Sou a luz do Sol na semente madura,
Sou a chuva branda do Outono.
Na quietude macia da luz matutina,
Sou a ave que voa veloz.
Não pares junto à minha campa a chorar,
Eu não estou lá,
Eu não morri…”


Sei que nos veremos, no tempo sem tempo.

...Até lá!

2 comments:

Joanne said...

Gostei muito mais do que sei dizer =D

Vertigo said...

Belíssima homenagem...num tempo sem tempo,se hão-de encontrar de novo,que isto cá 'em baixo',não nos pertence..